Ministro do Mar visita a «Ramirez 1853»

16/03/2022 O ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, assegurou hoje, no decurso de uma visita à «Ramirez 1853», que o Governo está “a avaliar” os apoios ao setor da pesca e às indústrias de conservas de peixe. A iniciativa foi também uma forma de homenagear Manuel Ramirez, que faleceu no passado dia 8 de março, e que o ministro considerou «um inovador, que levou a indústria das conservas a um patamar superior». Ricardo Serrão Santos iniciou hoje uma visita de dois dias pelo Norte de Portugal. Em Sabrosa e Vila Real participa em atividades relacionadas com os 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães.

Ramirez vence PNA 2021 na categoria de “Agricultura Sustentável”

09/03/2022 A Ramirez venceu a 10.ª edição do Prémio Nacional de Agricultura (PNA) na categoria de “Agricultura Sustentável”. O PNA 2021, que recebeu mais de 1300 candidaturas, distinguiu os casos nacionais de sucesso na agricultura, agroindústria, florestas e pecuária em seis categorias: Jovens Agricultores, Empresário em Nome Individual, Agricultura Digital, Agricultura Exportadora, Agricultura Sustentável e Personalidade do Ano. Jorge Cidade, National Key Account Manager – Off Trade, recebeu a distinção em nome da Ramirez. O PNA é dinamizado pelo BPI e pelo Grupo Cofina, com o patrocínio do Ministério da Agricultura e o apoio da PricewaterhouseCoopers & Associados – SROC, Lda (PwC).

Faleceu Manuel Ramirez, o diplomata das conservas

08/03/2022 Manuel Guerreiro Ramirez, que era o presidente do conselho de administração da Ramirez & (Cª), Filhos, SA, faleceu hoje, aos 80 anos, no hospital, onde estava internado desde o início de 2022. Nascido a 1 de setembro de 1941 em Vila Real de Santo António, Manuel Guerreiro Ramirez dedicou mais de 60 anos da sua vida à indústria de conservas de peixe, com a qual tomou contacto aos 15 anos de idade.
Desses tempos, recordava com saudade o «doce e desaparecido aroma a atum cozido, que invadia as narinas de todos em Vila Real de Santo António». Bisneto do fundador da Ramirez, Manuel Ramirez operacionalizou em 2015, com os filhos, a nova unidade industrial da empresa em Matosinhos – a Ramirez 1853 – localidade para onde o seu pai Emílio, neto do fundador, tinha na década de 40 deslocado a principal fábrica da família.

Viveu e formou-se em Hamburgo, Londres e Paris. Na Alemanha trabalhou numa fábrica que produzia e comercializava conservas de arenques. Em Inglaterra trabalhou na área comercial de um ‘broker’ da City de Londres. Em França cursou Engenharia Alimentar, com especialização em conservas.
Foi presidente da Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe (ANICP) e da Associação Europeia dos Processadores de Pescado (AIPCEE), qualidade em que, fazendo uso de toda a sua diplomacia, conseguiu unir a família europeia das conservas nos grupos de trabalho Atum e Sardinhas e fazer promulgar pela Comunidade Europeia a denominação de origem da ‘sardina pilchardus walbaum’ (pescada nas águas portuguesas e usada nas conservas ‘made in Portugal’), em detrimento de outras espécies da América do Sul, como a ‘sardinops sagax’. Foi também diretor da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), no seio da qual desenvolveu o Código de Boas Práticas Comerciais, bem como da Associação Comercial de Lisboa. Durante várias décadas, e à semelhança do pai, foi também cônsul da Finlândia, responsabilidade que, entretanto, transmitiu ao filho Manuel Teixeira Marques Ramirez.

Criou laboratório próprio de controlo de qualidade e batalhou pela introdução de redes de frio e congelação, que, há mais de 40 anos, revolucionaram as relações laborais no setor, ao permitir emprego a tempo inteiro.
Manuel Guerreiro Ramirez foi também o responsável pelo desenvolvimento e introdução mundial das latas de conservas de peixe tal como hoje são conhecidas – com argola de abertura fácil e sem necessidade de chave – tendo dedicado três anos de trabalho a este projeto, até encontrar o ponto de equilíbrio da incisão da tampa que favorecesse uma abertura fácil, mas sem comprometer a segurança da lata.

Em 2015, o empresário inaugurou aquela que é apresentada como ‘a obra da sua vida”’ – a fábrica “Ramirez 1853”, em Lavra, Matosinhos – que foi a primeira unidade nova da empresa em mais de 70 anos e que é considerada, por auditores internacionais, como uma das fábricas mais “verdes” e funcionais do mundo no setor agroalimentar.
Conciliando duas das suas paixões, a engenharia alimentar e a saúde, lançou, em 2020, o TunaFunctional, uma conserva funcional de atum, testada cientificamente, que favorece o reforço do sistema imunitário, a preservação da saúde e o bem-estar.

Ramirez dá novo significado à expressão “vestir a camisola”

13/02/2022 Hoodies, t-shirts, bonés, gravatas, máscaras, canecas, paliteiros, bandejas ou até o livro com a história da Ramirez estão agora disponíveis na área de Merchandising da loja online da empresa. Clientes, fãs, seguidores e colecionadores podem agora conferir novo significado à expressão “vestir a camisola”. Na seleção e conceção dos produtos, a Ramirez procurou respeitar a ideia segundo a qual os melhores brindes corporativos são os que os nossos clientes gostam de utilizar.

Ramirez Nutrição - Plano Diet & Fitness Ramirez

Plano Diet e Fitness Ramirez

A obesidade e o sedentarismo são os dois problemas mais graves que o século XXI enfrenta no domínio da saúde. É justamente por esta razão que a grande preocupação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é maximizar a importância do peso corporal e a pratica do exercício regular.

As pessoas com excesso de peso gordo e que não realizam uma actividade física sistemática enfrentam uma potencial deterioração progressiva da sua saúde que pode tornar-se irreversível. Daí a importância de tentar obter o denominado “peso saudável” (o considerado óptimo para a idade, sexo e estrutura corporal) através da modificação de certos hábitos alimentares e a inclusão de um programa de exercícios físicos que produzam uma perda de gordura e a recuperação e/ou ganho de massa muscular.

Foi a preocupação com estes aspectos que induziu a Ramirez a criar uma estratégia alimentar e de actividade física, que através do plano Diet & Fitness Ramirez pretende oferecer-te um conjunto de alternativas que garantem a optimização da tua saúde. Os objectivos desta proposta são contribuir para a diminuição da obesidade e para a recuperação da massa muscular perdida (ver peso gordo vs peso muscular), algo que acontece a partir dos 25-30 anos naqueles que não fazem exercício físico de forma sistemática. Também recomendamos uma série de opções saudáveis de alimentação: uma selecção e organização de pratos que favorecem a conquista das metas de bem-estar.

Peso gordo vs peso muscular
O peso corporal está representado pelo designado peso gordo e peso magro. Neste último encontra-se o peso muscular. O peso gordo expressa a quantidade de gordura da pessoa, enquanto o peso muscular faz referência à quantidade de tecido muscular. Sabe-se que os músculos são os verdadeiros motores do nosso corpo, portanto, ter pouca massa muscular e muita gordura é mostrar grandes limitações físicas e potenciar os riscos de deterioração da saúde.

Quanto menos tecido muscular e mais gordura se tem, mais força será necessária para os músculos deslocarem o peso corporal total, o que se traduz num enorme esforço para o nosso coração. Daí a importância de reduzir o tecido gordo e aumentar a massa muscular, o que representa o nosso desafio através do plano Diet & Fitness Ramirez.

Quanto maior for a quantidade de músculo que possuímos e menos tecido gordo deslocarmos, menor será o trabalho que realizará o nosso coração. Este é o princípio de economia de trabalho do organismo que potencia a sua qualidade de vida.

Recomendações:
As principais recomendações que deverão observar-se na realização do plano Diet & Fitness Ramirez são:
Consulta o teu médico sobre as suas possibilidades de realização do nosso plano de acordo com as características aqui referenciadas.
Se puderes, realiza este programa acompanhado. Será de grande ajuda saber que um projecto é partilhado e o desafio de “ficar em forma” é alcançado junto de alguém que procura o mesmo.
Não tentes recuperar num dia aquilo que se perdeu durante anos.
Controla a tua ansiedade. Os programas bem delineados para perder peso gordo e ganhar massa muscular demoram um certo tempo até induzirem os objectivos desejados. No entanto, estes são os mais efectivos e duradouros.

Conselhos para alimentação em competição

Em consequência do protagonismo que a alimentação detém no âmbito do desporto, mas também tendo em conta que alguns dos nutrientes constituem o “combustível” básico para o normal funcionamento do organismo e que outros são componentes estruturais indispensáveis ao adequado desempenho psicofísico, a Ramirez apresenta-te alguns conselhos sobre nutrição, que permitem, quer optimizar o rendimento físico desportivo durante a competição, quer favorecer a recuperação posterior ao esforço.

1. Pequeno-almoço (até três horas antes da competição)

Alimentos aconselhados:

a- Sem gorduras (não se aconselha, por exemplo, manteiga, queijo, fiambre, margarinas, ovos)

b- Pão (de preferência integral) com mel, compotas, marmeladas

c- Frutos Secos (nozes, amêndoas) ou passas de uva

d- Cereais sem açúcar

e- Frutas (maçã, laranja, pêssegos, ameixas, ananás, banana, kiwi)

f- Iogurte com pedaços de fruta, leite desnatado, café, chá, sumos de laranja, pêra, ananás, tomate, maçã.

g- Barras de cereais

 

2. Aos 30 minutos antes da competição (não consumir nada após este período)

– Uma peça de fruta (de preferência banana com mel, ananás, kiwi)

– Barra de cereais (energéticas)

– Iogurte líquido

(Escolher apenas alguns destes alimentos)

 

3. No intervalo (escolha livre)

– Barras de cereais energéticas

– Água mineral (não mais de ¼ litro por cada 15′)

– Duas peças de fruta (de preferência banana nos primeiros 10′ após o esforço e maçã ou laranja antes de começar a regata seguinte)

 

4. Ao finalizar a competição (nos primeiros 45 minutos)

– Hidratação (mesmo sem sentir sede) com bebida energética ou água mineral e um sumo de laranja

– Pão normal com mel ou marmelada

– Corn Flakes

– Muesli

 

5. Ao finalizar a prova (decorrida uma hora)

– Pasta de atum em pão de trigo

– Clara de ovo cozido

– Água mineral e/ou sumos de fruta

Evitar bebidas alcoólicas no final da competição.

Ramirez Actividade física e alimentacao nas praias

Actividade física e a alimentação nas praias

Com a chegada do Verão as nossas praias são inundadas de veraneantes que procuram o tão desejado bronzeado, o refrescante banho de imersão nas frescas águas do mar e, claro está, um número elevado de pessoas que, além de aproveitarem a época para descanso, se dedica também à prática de diferente tipos de actividade física.

Contudo, se são muitas e conhecidas as recomendações sobre os cuidados a ter com a exposição ao sol, não acontece o mesmo com as atenções especiais a ter relativamente à prática da actividade física, à alimentação e à hidratação durante a estadia na praia.
Devemos saber, em primeiro lugar, que tanto a prática de actividade física como o processo digestivo que se segue à ingestão de alimentos, exigem grandes quantidades de sangue.

Isto é, quando acabamos de comer, uma importante quantidade de líquido sanguíneo estará a circular pelo nosso intestino com o intuito de garantir a digestão do alimento. De igual forma, tanto maior será a circulação quanto maior for a actividade física, pois a resposta do corpo é similar. Quanto maior actividade, mais sangue passará pelos músculos que estão ser solicitados.

Podem deduzir-se, assim, algumas questões tão básicas como fundamentais. A prática de exercícios não deve ser conjugada com a ingestão importante de alimentos. Se tal acontecer, dois territórios do corpo estarão a solicitar sangue em grandes quantidades:
1– Os intestinos tentam processar os alimentos ingeridos;
2– Os músculos reclamam sangue abundante para que este lhes entregue o oxigénio indispensável para a prática física.
O resultado será então previsível. Nenhuma das duas zonas mencionadas terá a circulação suficiente para poder cumprir com o objectivo desejado.

E se estivermos expostos ao sol, o nosso corpo necessitará ainda de muito sangue a circular para baixar a temperatura corporal, induzindo-o a satisfazer uma terceira necessidade.

É simples de imaginar o que pode acontecer se estamos a nadar e o sangue de que necessitam os nossos músculos lhes falta. Nestes casos, o risco de fadiga é muito elevado e é normal que ao problema muscular se juntem transtornos digestivos e, em outras ocasiões, outros problemas do tipo cardio-circulatórios.

Estas situações, é bom recordar, podem ocorrer em qualquer momento do dia na medida em que não controlemos as variáveis mencionadas, quer dizer, a alimentação, a actividade física, a hidratação suficiente e o calor.

Como orientação, diremos que sempre que se realize actividade física antes ou depois de um prato principal, os alimentos que elegemos devem ser de rápida digestão e pobres em gorduras saturadas (gorduras do reino animal “de terra”, com carnes vermelhas, queijos, fiambres, enchidos, etc), evitando também os fritos. Quanto maior for a porção de alimentos ingerida e mais abundante for em gorduras, mais difícil e lenta será a digestão.

A eleição de saladas, arroz, batatas, massas e peixes “azuis” de águas frias (ricos em gorduras insaturadas de tipo ómega e de rápida digestão), como o atum, são uma saudável refeição nestas circunstâncias porque a sua digestão é relativamente fácil e rápida.

Uma adequada estratégica para cumprir antes e imediatamente depois de um exercício físico é consumir uma peça de fruta ou cereais, por exemplo, e em todos os casos beber água abundante ou uma bebida desportiva, já que não só hidrata e aporta minerais, potenciando o controlo da desidratação.

Estes cuidados simples ajudarão a ter um cuidado especial com a sua saúde e garantem um verdadeiro momento de prazer durante as merecidas férias de Verão.

Dicas para a praia:

Evite comidas de difícil digestão antes e depois do exercício;

Depois da prática de exercícios físicos ``em terra`` deixar passar pelo menos uma hora antes de ir ao mar;

Depois de almoçar não realize atividade física antes de 4-5 horas

Depois de fazer exercício físico deixe passar 90 minutos antes de uma grande refeição;

É muito bom comer uma peça de fruta 30 minutos antes e depois de fazer exercício;

Evite entrar no mar depois de estar muito tempo exposto ao sol, molhe-se durante uns minutos com as mãos. Depois, sim, pode desfrutar do mar;

Deve hidratar-se permanentemente. Nunca deve sentir sede.

Conservas Ramirez - Alimentação Saudável

Equilíbrio de uma boa alimentação

Todos sabemos como o equilíbrio de uma boa alimentação é importante para o desenvolvimento físico e intelectual, para uma saúde de ferro, para o bem-estar em geral. E não falta informação!
Da escola à televisão, dos jornais às revistas, cada um dá os seus palpites – que isto engorda, que aquilo emagrece, que faz mal a isto ou faz mal aquilo… No meio de toda esta confusão, onde abundam conceitos bons, maus e assim assim, perdem-se boas intenções de fazer uma alimentação saudável

Um dos objectivos da RAMIREZ é a promoção do equilíbrio de uma boa alimentação, por isso, tem vindo a desenvolver parcerias com pólos universitários e científicos que possam contribuir para esse objectivo. Assim, assinou recentemente um protocolo de colaboração com a FCNAUP- Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, do qual resultou a criação do Centro de Nutrição Ramirez – CENUTRA – , que se propõe sensibilizar e promover práticas alimentares saudáveis na população portuguesa.

Alimentação Portuguesa.

A alimentação tradicional portuguesa é desequilibrada por utilizar alimentos “pesados”, como o pão, as batatas, o arroz ou o feijão?

Estes alimentos têm sido culpabilizados injustamente pelo excesso de peso. A base da alimentação equilibrada devem ser os hidratos de carbono, e a opinião da FAO/OMS é que estes devem contribuir com 55% a 60% do total das calorias diárias.

O que se tem verificado nos últimos anos é uma diminuição no consumo destes produtos e um aumento do consumo das gorduras. Tenha em conta que o que engorda mais é a manteiga ou o queijo que coloca no pão, o óleo que as batatas absorvem ao serem fritas, a manteiga/óleo que mistura na massa e no arroz, a carne gorda que acompanha a feijoada, etc.

Lembre-se que 1 grama de gordura produz 9 calorias, enquanto que a mesma quantidade de hidratos de carbono produz apenas 4 calorias.