Emílio Ramirez adquire uma nova unidade em Peniche, preparando o futuro, que imporia, anos mais tarde, por falta de matéria-prima no Algarve, uma concentração da actividade mais a Norte.